segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Crônica do Sol

Eu estou te amando essa manhã. Amando um pouco mais do que as outras manhãs. O dia amanheceu devagarinho, mais devagar do que de costume, o sol demorou a brilhar, foi aos poucos, no céu próximo as montanhas um enorme degradê se formou, ia do negro e denso preto noturno passando pelo laranja mecânico até se misturar no nítido amarelo solar e se consumar num sereno e homogêneo azul.
Mais uma vez a natureza imponente conspira ao amor que sinto por você. O "eu te amo" matutino que eu costumo enviar por mensagem está aqui sufocado entre a boca e a faringe, obstruindo o ar de tal forma que, mais do que nunca, não posso respirar sem dizer o quanto te amo. Minha garganta grita em silêncio o quanto minha alma ama a sua. Chego a conclusão que nossas almas, mais do que nunca, são uma só. Interligadas por um mundo oculto, místico e esotérico, como se por magia tivessem sido separadas. Carrego comigo a tese de que por milhares de anos andamos ligados, uma alma, plena em todos os sentidos, mas uma força estranha nos separou, ordenou que vivêssemos separados para entender que a verdadeira plenitude só é alcançada a dois.
Só seremos completos de verdade quando nos amarmos com toda intensidade, sem condições, sem "se", sem "mas". Esta manhã me senti mais completo do que nunca.
Essa manhã eu acordei de um sonho e me peguei sonhando novamente, só que desta vez olhando pro céu lá fora e ignorando o céu dentro de mim. Foi mágico ver o esforço do astro rei em se desvencilhar das montanhas para trazer luz e calor. Nós dependemos dele para viver, as plantas também precisam, e parece que sol sabe disso, tamanha é a força para sair em cima daquela cordilheira rochosa. Me indaguei o que estaria fazendo de esforço para brilhar e proporcionar vida a outras pessoas, não me veio a resposta, por isso abaixei a cabeça e puxei forte o ar, agradeci ao sol.
A luz da sua alma me ilumina de tal forma que seriam necessárias mil montanhas para me privar do banho de sua luz, eu escrevo para sua alma agradecendo, o remetente é minha alma também, meu corpo é só o instrumento. E por meio dele - meu corpo- eu demonstro a cada segundo, a cada respiração, o meu amor.
Te amar me fez sentir vivo, nesta manhã me senti mais vivo do que nunca.
Quero que seja assim todos os dias de nossas vidas, acordar pra te amar ou na melhor das hipóteses, acordar porque te amo. Acordar e ver o sol brilhar dentro de mim.



Pedro Bragança


Nenhum comentário:

Postar um comentário