quarta-feira, 2 de julho de 2014

Antes de dormir

Passava das três, e minha mente vagava pelo imenso e negro céu, meus olhos estavam fixos em um canto qualquer, ou em qualquer canto, não sabia ao certo, apenas tinha certeza de uma coisa, aquele vasto universo poderia ser contemplado tanto ali, da janela do meu quarto, como de qualquer parte do mundo. Era tão misterioso e indecifrável, quanto os pensamentos daquela mulher.
Mas espera ai, qual mulher?
- Aquela! Existe outra com tamanho ar de mistério ou existe outra que mereça o sacrifício do meu precioso sono?
Você pode não saber o nome ainda, mas tenho certeza, vai perceber que conhece e muito essa mulher, vai ver também que ela apesar de unica se manifesta, as vezes de maneira devastadora, na vida de muitos homens. Homens que como eu não sabiam dar valor achavam frescura falar de amor, e ainda pior demonstrar qualquer tipo de sentimento.
Eu aprendi que homem também deve falar de amor, também deve fazer carinho ou até mesmo chorar, é, homem deve ser sensível ao tratar uma mulher com sentimento, doçura e a delicadeza que ela merece. Mas eu não pensava assim, eu tinha na cabeça um pensamento diferente, ou vai saber, um pensamento igual aos padrões que a sociedade entendia como correto. 
Não falo da sociedade de forma absoluta, pois sei que por ai existem outros homens que viveram uma história parecida com a minha e que foram rejeitados, depois,acolhidos para perceberem a importância de mostrar todos os dias o quanto amam a mulher de sua vida e com o tempo se converteram aos carinhos e cuidados de uma mulher de verdade.
Aqui da janela do meu quarto minutos antes de dormir fico como de costume "rebobinando" meu dia e percebo que, mais uma vez, meu dia não passou de um "pleonasmo redundante" de pensamentos nela e no tamanho do amor que eu sinto. Exagerado e imensurável, duas palavras que definem em parte o meu amor por ela. 





Pedro Bragança

Nenhum comentário:

Postar um comentário