terça-feira, 10 de junho de 2014

Copa, copinha e copalidade

Falta um dia! Um dia pra ir ver o Brasil jogar e esquecer de ver o Brasil chorar. Mensalão, mensalinho, mensalidade. Fraude, corrupção e violência fazem parte da condição humana.
Antecipação de receita ou apropriação indébita, grampear ou escutar telefonemas sem autorização judicial, transformar ou fraudar óleos comuns em azeite de oliva, adicionar água no leite, soda caustica e água oxigenada, escrever artigos ou reportagens com o propósito de extorquir dinheiro ou outras vantagens, politicagem, charlatanismo, mordomias, proxenetismo, furto em bomba de gasolina, sonegar contribuições previdenciárias, engarrafar ou comercializar água comum alegando ser água mineral, efetuar acordos partidários espúrios, vender carnes oriundas de animais que morreram de doenças, furtar no peso ou na medida, bancos que cobram tarifas indevidas ou exorbitantes, exercer a medicina sem observar princípios éticos tradicionais, simular-se enfermo com a intenção de conseguir auxílio-doença ou aposentadoria, peleguismo sindical, sites que oferecem ou divulgam coisas negativas ou criminosas, fraudar transferência de titulo eleitoral, sociedades fantasmas, forjar milagres ou descarrego, intitulando-se iluminado ou mensageiro de Deus, adulterar remédios, bebidas e certos alimentos, depositar dinheiro de outrem ou de repartição pública em conta particular, falsificar obra de arte, intitular-se mediador entre os homens e Deus, anunciar o fim do mundo marcando data inclusive, simular possessão demoníaca, excesso de desmatamento, pedofilia, vender vagas no céu, vender lotes na lua, sonegar tributos, mentir, omitir...
Quem de nós já não fez algo de corrupto? Seriamos, em ultima análise, todos corruptos?
Falta um dia, volto a dizer, a seleção entra em campo, e um manto invisível é atirado sobre a população carente, o grito de clamor dos moradores de rua serão abafados pelo som das vuvuzelas, os protagonistas estarão em campo, com suas chuteiras Nike, a mídia investiu em tecnologia, as lojas faturaram na venda de promessas e de televisores de altíssima definição, daqueles onde podemos ver o suor descendo no rosto do torcedor que grita cegamente no estádio. Eu digo cegamente porque ali dentro do ''coliseu'' não se pode ver Roma, digo Brasil, as luzes dos holofotes ofuscam a miséria e a pobreza padrão FIFA.
Pão e circo, digo futebol e cerveja, tudo que o brasileiro gosta não é mesmo? Não. Não há como não se emocionar ao ver o hino nacional cantado à capela, mas também não tem como não se emocionar ao ver uma criança com fome na rua chorando à capela. Devemos sim receber todos os visitantes com respeito, mas devemos olhar com respeito para o nosso chão também. Que essa copa seja o evento menos corrupto do Brasil. Que as melhorias que estão sendo feitas em aeroportos, estádios, sistemas de telecomunicações, internet e celulares, permaneçam depois da copa e que possam ser usufruídos por brasileiros, que os lucros, que não serão poucos, sejam aplicados nas áreas mais carentes. Que após a copa, possamos ver mudanças no Brasil e assim possamos comemorar de verdade.
Já tirei meu manto verde amarelo do guarda roupas, já pendurei a flâmula na parede do meu quarto, então, que o Brasil seja hexa campeão no futebol e que algum dia seja campeão, pelo menos uma vez, na educação, saúde e infra-estrutura, para que eu não precise esconder novamente a camisa e bandeira no fundo do guarda roupas. É taça na raça Brasil!




Pedro Bragança

Nenhum comentário:

Postar um comentário